Google+ Followers

Siga-me! Cadastre seu e-mail...

Mentiras ou verdades?

Author: Miguel de Paula /



Amigo seu eu fui... Sim! eu fui! Conselhos, carinhos, tempo... Ah! O sagrado tempo que me dediquei a você! Tudo em vão! Você sempre vinha me consultar e eu com a maior paciência falava o que pensava mesmo sabendo que você não iria utilizar nada daquilo que eu havia dito! Como consegue fazer isso? Ingênuidade? Infantilidade?

Verdades ou mentiras me contou? Seriam ilusões de sua mente? Tantos fatos ocorreram, ouvi cada um deles! Mas lembra-se? História tem dois lados e em muitas você foi a atriz principal! Cortinas abertas você fazia seu espetáculo onde me hipnotizava a cada minuto, mas muitas vezes a sua verdade não era a mais plausível comparadas com as outras versões... Mesmo assim segui meu papel ignorando cada fala e observação a seu respeito!

Sou da minha forma! Sou o que sou pois nunca escondi o que pensei! Nunca omiti aquilo que me perguntaram e mesmo assim fui julgado! Julgado de forma injusta por sua pessoa por não concordar com suas idéias! O que eu deveria fazer? Verdades? Mentiras? Quem é você?

Verdade... Uma verdade se revelou... Minha mágoa que tomou conta daquele sentimento que vivo em mim tentei manter a seu respeito... Amor... Amizade! Mortos por mais uma apunhalada sua, dessa vez fatal! Uma simples manifestação em frente de outras pessoas! Sim! Me apunhalou de forma sem pensar! Passei mal... segui ao meu carro, e lágrimas escorreram! Você se tornou aquilo que tanto julgou e criticou onde aos poucos se transformou... Não notou? Uma pena! Você matou a última beleza que em você sobrevivia!

Sentado calmamente tentei equilibrar novamente a balança da vida, e percebi! Percebi que ali você não poderia ficar! Lembranças magníficas você esteve ao meu lado e sou eternamente grato por isso, mas daqui em diante perdoe-me, mas não há espaço para que você siga comigo! Sua carga já é grande demais para mim, não poderei consolar sentimentos feridos que não são meus!

Verdades ou mentiras o que sente por mim? Não sei! Não sei! Não sei!

Viva no seu mundo de fantasias! Julgue, critique, continue atuando! Pena que não percebe que estão se cansando e que seus espetáculos aos poucos se desgasta! Sempre as mesmas conversas sem conteúdo repetindo aquilo que ja fora dito! Por quê manter a memória daqueles que nos feriu? Sou incompreensível, ou fui o único que teve a coragem de lhe dizer sem piedade a pura verdade?

Será esse texto obra de uma raiva? Não! Agradeço a Deus por não guardar ressentimentos, mas posso lhe dizer que esse texto é a obra montada de seus ferimentos em meu coração! Atrás da figura séria e imbatível que sempre mantive, há um coração que você teve o acesso livre! Nele, você marcou grandes feridas com palavras e julgamentos pelo simples fato de não parar para interpretar minhas falas! Tornei-me o seu monstro no mundo de fantasias! Aquele que lhe dá patadas, aquele que a julga, aquele que só a critica!

Perdoe-me daqui em diante não haverá aquilo que sempre houve, não exixtirá aquilo que sempre existiu! Sou o seu mosntro e dele devo afastá-la...

Verdades ou mentiras? O que vivemos afinal?

Viva seu amor incompreensivel... mas garanto-lhe que niguém lhe dirá que tal amor é uma pura ilusão de um corãção doente que não enxerga o que deveria! Se estou errado que minha boca se cale com todas as palavras à você direcionadas!

Vivi, agradeço! Obrigado por ter sido belo até o último momento... Mas não posso permitir! Meu respeito sempre terá! Continuarei em meu cantinho e sei que aos poucos você perceberá que tudo estará mudado! Eu sei que você não é boba!

Não temo seu julgamento e talvez palavras que serão direcionadas a mim após a conclusão desse desabafo não me abalarão! Não temo a verdade, a minha verdade! Lavo as mãos nesse momento sem mágoas e ressentimentos! Verdadeiro e transparente é aquele que não teme a verdade explícita! Mentiras? Não sei, sabia? E você sabe?

Lembre-se! Seu espetáculo está ficando sem platéia! E sem platéia os atores e figurantes serão obrigados a fechar as cortinas! Refletores a você apontados estão se apagando! Degradante, Não?
Perdoe-me... Por lhe dizer a verdade! A minha verdade!

Assunto me tornarei e sei muito bem, e o que posso fazer? Agradecer-lhe!

O meu muito obrigado! Minha gratidão!

Só tenho a lhe dizer: "Foi bom enquanto durou!"

"Nessa vida colhemos o que semeamos!"




(Miguel de Paula)

1 comentários:

Bruno disse...

Rpz sempre com textos muitos bem escritos ( e continuo pirando nesse jogo com as palavras). \o/

Postar um comentário